Conhecendo Alguns Radioamadores

Por: FABIANO VIANA - PY3AHK

Fabiano Viana - PY3AHK, atual PY3VK

Caro Ivan

Como você bem sabe, sou um radioamador novo, não tenho muito o que contar, ou descrever, até me sinto "pequeno" quando olho as matérias dos outros colegas. Minha história no rádio começou no inverno de 1995. Eu era colega de Cézar Augusto Guimarães, filho do PY3YT- Cássio Augusto Guimarães. O Cássio tinha uma chácara nas margens da barragem do Passo Real, e fui convidado para ir junto com a familia deles passar o final de semana na chácara. O Cézar tinha um motociclo, então fomos, ele e eu, de moto, e os pais dele de carro. Chegamos mais ou menos uns 25 minutos na frente. Quando eles chegaram, o Cássio desceu carregando um equipamento, uma caixa pretinha, com um microfone pendurado, alimentado com um bateria de carro. Observei atentamente o Cássio instalar seu rádio, acoplar a antena de 40 metros, na hora nem sabia o que era 40 metros, e falava umas coisas engraçadas e estranhas para mim. Recordo que era assim: "CQ 40, CQ 40, CQ 40, Papa Yankee 3 Yucatan Toronto, operador Cássio, transmitindo do QTH Rural, às margens da Barragem do Passo Real, chama geral e agradece qualquer contestação com Bom Dia". Minha primeira reação foi a de rir com todos aqueles códigos e palavreados estranhos. Fiquei espantado, surpreso, quando escutei: "PY3YT, PY3YT, muito bom dia Cássio, tudo de bom, áudio limpo e cristalino, adiante PY3YT, de Papa Yankee 3 Canadá Zelândia". Fiquei encantado com a contestação do colega do Cássio. Era o Carlos Magno Guimarães - PY3CZ. Foi amor a primeira vista. Infelizmente perdi meu amigo de final de semana, que era o Cézar, para ganhar um companheiro de rádio, o Cássio.

A partir daquele final de semana, fui tentando assimilar as coisas, tentando entender de uma forma ou outra as novidades que me chegavam pela "caixinha mágica". Em agosto fui apresentado a um grande amigo, PY3CFP - José Adilir Faoro, meu grande professor. Cheguei até o seu shack, ele estava sentado em uma cadeira com um microfone na mão, mas não era mais uma caixinha, e sim uma caixona, de mais ou menos 1,2 metros de altura. Ele me explicou que era uma estação de AM, com duas válvulas 811 que modulavam duas 813. Não entendi nada. Nos finais de semanas comecei a fazer 11 metros. Usava o indicativo do José. Meses. Mais tarde já estava com minha estação montada e com indicativo de chamada para os 11 metros. De janeiro até outubro de 1966, trabalhei quase todos os estados do Brasil, Argentina, Chile, Paraguay, Antilhas, Ilhas Canárias e Portugal. Mas não me contentava mais com isso, queria falar nas mesmas freqüências que o Cássio - PY3YT, Carlos - PY3CZ e o José - PY3CFP falavam.  Queria saber o que era a tal de telegrafia, saber o que era uma válvula, um transistor. Eu adorava olhar os cartões QSLs do José Adilir Faoro - PY3CFP. Cartões de todas as partes do mundo, contatos realizados nos mais diversos modos.

Tomei conhecimento que em novembro haveria banca examinadora da ANATEL, em Caxias do Sul, para ingresso ao radioamadorismo. Comecei a estudar Telegrafia, Legislação, Técnica e Ética Operacional e Radioeletricidade. O Cássio havia combinado com PY3QH - Roberto Antônio Festugatto, de eu ficar na casa dele. Aconteceu que o Roberto estava na Praia, mas deixou avisado para seu genro e filha que eu iria para lá. O exame iria acontecer no sábado de manhã. Sai de Ibirubá na sexta à tarde. Chegando no dia do exame, fui até o local da prova. Um misto de nervosismo e pavor me bateu. Fui aprovado somente em Legislação e Técnica e Ética Operacional, deixando a Telegrafia e Radioeletricidade para prestar provas em Porto Alegre, em Dezembro. No dia 10 de dezembro fui de carona com um pessoal de uma transportadora até Porto Alegre. O exame era as 9:00 horas do dia 11. Cheguei em Porto Alegre, era 01:15 horas da madrugada, e o cara me deixou no começo da Farrapos, perto de uma agência do Bradesco. Ficaria hospedado na Rua Lila Ripoll, 567. Lá estavam me esperando PY3AID e PY3AWD, Iracy Vivan Beck e Pery Prado Beck. Com 17 anos, sozinho, com uma sacola de roupas e alguns trocados, aquela hora da madrugada em Porto Alegre, mais perdido que cego em tiroteio, que eu iria fazer. Caminhei uns 30 metros, achei um Ponto de Taxi. Dei o endereço para o taxista, e o cara me levou direto ao endereço, sem embromação. Cheguei lá estava a Iracy me esperando, querida, sorridente, me apresentei a ela, que me abraçou e me encaminhou para o quarto onde dormiria.

No outro dia fui apresentado ao Pery e aos demais familiares. Naquela bela manhã de quinta-feira conheci uma pessoa a qual me marcaria pelo resto dos meus dias, Aldo Ferreira de Araújo - PY3AFA. Peguei o ônibus e fui para o centro de Porto Alegre, chegando na Rua Dr. Flores, 62, sede da LABRE/RS, subi até o 13º andar. Fui até a uma sala onde estava sentado um senhor alto, com voz calma e sorridente, que me pediu que assinasse um termo e sentasse que logo começaríamos a prova de recepção e transmissão de Código Morse. O Senhor a quem me refiro era o então amigo Alberto Volkmar Christensen - PY3ACC. Jamais me esquecerei do texto que ele telegrafou. Tive três letras perdidas e fui aprovado. Situação contrária de quatro colegas de uma turma de onze que estavam prestando o exame. Mais tarde fomos sabatinados sobre a prova de radioetricidade, na qual tive 65% de acertos e também fui aprovado. Estava aprovado, já me considerava um radioamador. Depois das saudações e cumprimentos, me direcionei até a ANATEL que ficava na Rua Duque de Caxias. Chegando lá fui atendido pelo Senhor Daniel, que perguntou se eu tinha alguma preferência de Indicativo de Chamada. Disse-lhe  que queria PY3FV que estava vago, mas qual foi a minha surpresa quando ele falou que eu não poderia receber o Indicativo de Chamada de classe B, por ser menor de idade. Na euforia de ter conseguido meu objetivo, nem lembrei que ainda era menor de idade. Contudo poderia receber um indicativo de classe C e esperar até completar os tão esperados 18 anos para obter o indicativo de classe B. Em homenagem aos meus anfitriões, Pery e Iracy, escolhi o Indicativo de Chamada PU3AWD.

Voltando a Ibirubá, já como radioamador, foi hora de chamar geral nos 80 metros. Chamei geral no dia 16 de dezembro de 1997, às 18h58min, na QRG de 3.734 KHz. Meu padrinho foi o Ayres Rodrigues - PY3AIR, de Pelotas. Meu primeiro contato em CW foi na mesma noite com Claudino - PY5CK, de Reserva-PR. Meu primeiro DX em fonia foi nos 80 metros, com ZS6IR - Rob, da África do Sul e meu primeiro DX em CW foi com SP2 IY - Slow, da Polônia. Depois desses fatos todos comecei a me integrar com a comunidade radioamadorística do Rio Grande do Sul e do Brasil. Minhas práticas se detiam em CW - AM - SSB, modalidades que aprecio até hoje. Dentre elas a que mais gosto é o CW. Em um desses papos pelo rádio conheci dois colegas que muita atenção me deram. Eles se encontravam em 3.768 KHz, todas as manhãs ou  a tardinha. Dietrich Carlos Adolpho Kuhlmann - PY3DK e Darcy Carlos Bohrer - PY3BXP foram colegas que me ajudaram muito. Kuhlmann foi um verdadeiro mestre, tanto nos contatos em fonia quantos nos praticados em CW. E o tempo foi passando, chegou 1997, faltava só seis meses para completar minha maior idade, e eles passaram rápido. Em um QSO nos 80 metros, um dia ficou acertado que quando recebesse meu indicativo de Classe B, eu chamaria geral lá da Cascata, Pelotas, QTH do meu saudoso amigo PY3AFA, comandante da Rodada do Sul, que funciona até hoje em 7.242 Khz, todos os dias, das 12h30min até as 14 horas.

Junho chegou, e passou rápido, dia 28 completei meus 18 anos. Dois dias depois fui a Porto Alegre buscar o que tinham me prometido. Fiquei hospedado na casa de um amigão, Orival Bianchi - PY3BIC, que me apresentou todos os seus familiares, e tive o prazer de dormir junto ao Shack do Bianchi.  No outro dia, pela parte da manhã, fui até o então Ministério das Comunicações. Chegando lá, confesso, tremia a perna. O Daniel me conheceu, deu uma risada e perguntou qual o Indicativo de Chamada que eu queria. Resolvi homenagear o primeiro radioamador de Ibirubá, Eugênio Paulo Mallmann, e reativei a PY3AHK. Na mesma tarde parti com destino a Pelotas, lá me esperava meu “comandante” PY3AFA. Cheguei em Pelotas e fomos diretos para a Cascata, conheci o tão lindo lugar que o Aldo tinha, um lugar calmo, bonito, bem conservado, e com um pomar de frutas fabuloso, onde tive o prazer de comer bergamotas dos mais variados tipos e sabores. Aldo me levou para conhecer a cidade de  Pelotas, nossos amigos de rádio, que tive o prazer de conhecer pessoalmente PY3AIR - Ayres, PY3OSM - Osmindo e outros. No domingo era o tão esperado dia. O Aldo me aprontou uma grande surpresa que jamais vou esquecer. Veio aproximadamente trinta radioamadores para um belo churrasco e depois me verem chamar geral.

Almoçamos um churrasco de cordeiro mamão, regado a refrigerantes e cervejas, num espirito de confraternização que só o radioamadorismo poderia ter proporcionado. Chegou a hora, a perna voltou a tremer, estava eu sentado em frente a PY3AFA e todos a minha volta. O TS 130 estava pronto, 7.242 Khz foi a QRG escolhida e assim foi: “CQ 40, CQ 40, CQ 40, chamando geral para batismo PY3AHK, PY3AHK, PY3AHK, chama geral e passa a escuta para receber as bençãos eletrônicas...” Quem me atendeu foi PY3AHF- João Batista Albrech, de Santo Ângelo-RS. Todo mundo comemorou, me abraçaram, me deram as boas vindas. O Aldo, com seu espírito esportivo de sempre, me batizou com cachaça e farinha de mandioca, fazendo eu ter que tomar um banho depois do QSO. Depois daquele maravilhoso final de semana, retornei a Porto Alegre com PY3BZL - Percílio Garcia da Silva. Durante a viagem furou um pneu do carro, mas foi rápido para trocar. Ao retornar para Ibirubá, cheguei em meu Shack, uma caixa de madeira com meu endereço, remetida por PY3DK - Kuhlmann. Abri e quase chorei, era um Manipulador Eletrônico. Prontamente liguei para o Kuhlmann agradecendo o presente. Em outubro do mesmo ano tivemos o 45º Rancho do Radioamador Gaúcho, em Novo Hamburgo, evento que se destacou pela qualidade da programação oferecida aos colegas. Dentro dos Parques da Fenac foi instalada uma estação que recebeu o indicativo – ZY3RRG, na qual foram operadas Rodadas ao vivo, do evento. Fui agraciado para ser o comandante da Rodada Saco de Cuia, que ia ao ar de manhã, das 7 horas até as 8 horas.

Foi lá, nesse evento, que tive o prazer de conhecer inúmeros colegas que  somente havia falado pelo rádio. Foi uma coisa fantástica, e como é bom  conhecer alguém que você tem somente uma voz como lembrança. Foi uma experiência fascinante. Chegou 1998, e fui prestar minhas obrigações com a Pátria. Dei entrada no Exército Brasileiro a 30 de março de 1998, na Bateria de Comando da Artilharia Divisionária da 3ª Divisão de Exército, quartel sediado em Cruz Alta- RS. Fui designado para ser rádio-operador (o que já era previsto). Em manobras de campo, era operador de um Tenente-Coronel, e quando não estava em manobras, prestava serviço na estação de rádio do Quartel General da AD/3. Por quantas vezes fiz uso dos equipamentos daquela estação para entrar nas rodadas, principalmente na Rodada do Sul.

Panambi-RS 
e-mail: py3vk@baependi.com.br