A verdade sobre a Rua Landell de Moura

Por Paula Maia

     

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a Rua Landell de Moura que passa pelos bairros Tristeza, Camaquã e Cavalhada é uma homenagem ao irmão do Padre Roberto Landell de Moura, o farmacêutico Ricardo Landell de Moura, uma pessoa muito caridosa e humanitária. Ricardo foi um dos primeiros habitantes do bairro, tendo fixado residência em 1903. Esse equívoco acontece por falta de informação nas placas da rua. Lamentavelmente, a nossa capital, mesmo sendo a cidade natal do Padre Roberto Landell de Moura, não possui nenhum logradouro público batizado com seu nome. Mas isso nem sempre foi assim. Em janeiro de 1961, em comemoração do centenário desse genial inventor, foi inaugurada, pelo então prefeito municipal Dr. José Loureiro da Silva, a Praça Padre Landell de Moura, no logradouro que é delimitado pelas ruas Vieira de Castro e Santa Terezinha e avenida Jerônimo de Ornelas, no bairro Santana.

A solenidade contou com a presença do representante do Governo do Estado, Capitão Jacques da Rocha Motta; do General Osvino Ferreira Alves, comandante do III Exército, acompanhado por oficiais do seu estado-maior e da guarnição local; Vereador Alfeu Barcellos, vice-presidente da Câmara Municipal; Arcebispo Metropolitano Dom Vicente Scherer; Major Jurandy Frota, pelo Comando Geral da Brigada Militar; Lions Clube Porto Alegre-Centro; Mesa Redonda Pan-Americana de Porto Alegre; Monsenhor João Maria Balem, pelo Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul; entre outras autoridades. O orador oficial da solenidade foi o professor Manoelito de Ornellas. Essa homenagem durou até maio de 1963, quando sem nenhuma justificativa, compareceram no local pessoas que se disseram da Prefeitura Municipal, e retiraram a placa da praça e o terreno continuou como antes. Atualmente a praça denomina-se "Praça João Paulo I", conforme Lei nº 4.783, de 25 de setembro de 1980. E continuamos até hoje sem nenhuma homenagem a esse genial inventor pioneiro das telecomunicações e patrono dos Radioamadores do Brasil.

A homenagem ao irmão do Padre, Ricardo Landell de Moura se deu por ele ter sido, além de um morador do bairro Tristeza...

A homenagem ao irmão do Padre, Ricardo Landell de Moura se deu por ele ter sido, além de um morador do bairro Tristeza, um profissional imprescindível e um amigo que sempre estava pronto para socorrer. Por muito tempo, foi a única ajuda médica que os moradores do bairro podiam contar. Ficou tão conhecido que seu nome servia de referência para indicação da rua onde morava. A explicação sobre a verdadeira homenagem feita a família Landell de Moura existe graças a divulgação de muitos anos de pesquisa do escritor Ivan Dorneles Rodrigues. Estudioso e apaixonado pela história de vida do Padre Landell de Moura, o escritor foi em busca de informações e possui um raríssimo arquivo pessoal sobre mais esse gaúcho que fez a diferença na história da humanidade. O resultado de anos de pesquisa está na publicação do livro: “Brasileiro, Gaúcho, Um Gênio Diferente: Landell de Moura”, editado pela CORAG - Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas, Imprensa Oficial do Estado do Rio Grande do Sul. O livro é sobre a vida e obra do Padre - cientista Roberto Landell de Moura.

Um pouco da história do homenageado da Zona Sul de Porto Alegre.

RICARDO LANDELL DE MOURA

Nasceu a 16 de julho de 1873, em Porto Alegre, onde faleceu a nove de fevereiro de 1934. Cursou Farmácia em Ouro Preto, Minas Gerais. Morou algum tempo em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, onde conheceu Ida Panarari, com quem se casou, quando esta tinha 15 anos de idade, a qual passou a chamar-se Ida Panarari Landell de Moura. Desse matrimônio nasceram dez filhos. Em 1903, Ricardo Landell de Moura retornou a Porto Alegre com a esposa e dois filhos pequenos, José Victorino Panarari de Moura e Roberto Landell de Moura, fixando residência na Tristeza, onde permaneceu até seu falecimento. A família morou algum tempo na Rua Dr. Mário Totta e depois comprou a chácara de Ludovico Capra, na atual Rua Landell de Moura.

Ricardo viuvou aos 39 anos e não casou mais. Atendeu sua farmácia por mais de 30 anos, passando a ser o único recurso médico para os moradores da Tristeza, durante os meses de inverno; no verão o serviço aumentava, apesar da dinâmica atuação do Dr. Mário Totta, veranista permanente do bairro e também do Dr. Armando Barbedo. Por ser morador durante longo espaço de tempo e por representar para a Tristeza um profissional imprescindível e um amigo sempre pronto a socorrer, Ricardo Landell de Moura ficou tão conhecido no arraial, que seu nome servia de referência para indicação da rua onde morava. Hoje a Rua Landell de Moura, no bairro Tristeza é em sua homenagem.

Paula Maia
e-mail: paulamaia80@hotmail.com