Landell Espírita

Por: Por José Sousa Melo

O LANDELL “ESPÍRITA”

Um sacerdote e físico teorizando em torno do Espírito

Possuidor de uma visão que ia muito além dos limitados horizontes acadêmicos e religioso de seu tempo. Roberto Landell de Moura, mesmo que não se debruçasse sobre a fenomenologia espírita, como sacerdote católico, contudo, aceitava a pluralidade dos mundos habitados, defendida por Allan Kardec. E mesmo palmilhando outro caminho, ele seguiu as pegadas do Codificador. Homem voltado para a ciência, as suas especulações o levaram a extrapolar os limites da matéria, visualizando a parte imaterial do ser humano, tendo feito descobertas que só foram comprovadas mais tarde, pela parapsicologia, através de sofisticados aparelhos eletrônicos. Entre o material recolhido por seu biógrafo Ernani Fornari, estava o “Caderno A”, onde o Padre Landell fazia as anotações sobre o que ele chamava de “perianto”, ou seja, a aura, também conhecida como corpo astral, antecipando-se a descoberta do dr. Kirlian. As observações encontradas no caderno de Landell, sobre o “Perianto”, são tão completas, que envolvem até os fenômenos de materialização e de bilocação (desdobramento), estudados pelos pesquisadores espíritas e, mais tarde, pela parapsicologia.

CONCLUSÕES DE LANDELL

O mais incrível de tudo é que o Padre Landell de Moura descobriu, também, a existência, no corpo humano, de um elemento universal, inserido na própria natureza do átomo - o elemento R, o qual, na terminologia Kardecista, deve tratar-se do próprio Espírito.

...dizia Landell que existe no corpo humano um elemento “R”, que dá origem aos fenômenos do perianto...

Em síntese, ele chegou às conclusões seguintes:

- Todo o corpo humano está envolvido de um elemento de forma vaporosa, mais ou menos densa, segundo a natureza ou o estado do indivíduo ou ambiente em que ele se acha.
- O perianto é por si invisível; mas, por intermédio de certas luzes, pode tornar-se visível e até mesmo ser fotografado.
- Esse grau de condensação poderá torná-lo palpável e resistente, simulando todos os fenômenos da vida psicorgânica devido ao prolongamento dinâmico, não sendo o que ele apresenta senão um reflexo do corpo que o produziu.

Enfim, dizia Landell que existe no corpo humano um elemento “R”, que dá origem aos fenômenos do perianto, ou seja, da aura ou corpo astral, que pode agir à semelhança de um duo ou duplo do indivíduo.

Obs.: Matéria publicada no jornal “A Nova Era”, da cidade de Franca-SP, em 15 de dezembro de 1992, Ano LXVI, Número 1848.