Conheça o homem que apertou o botão da comunicação - Padre Roberto Landell de Moura

Por: Luiz Netto

     

Sua Obra e Suas Lutas - Tributo ao Padre Landell

Certamente que todos nós temos uma grande admiração por todos os grandes homens que já passaram pela humanidade e que deixaram sua influência positiva para a espécie humana. Tivemos filósofos, religiosos, poetas, escultores, grandes cientistas em todas as manifestações do saber humano. Muitos viveram poucos anos, passaram pelo planeta Terra tal qual um corpo celeste que corta o firmamento muito rapidamente e que neste gradiente de tempo tão curto, deixam a marca fecunda de seus gênios criativos, cuja criação serve como base para um novo patamar, a partir do qual os que lhes sucedem dão seguimento à construção do saber humano em eterna busca que nunca finda, cada um a seu turno, entregando o bastão ao próximo que lhe segue na roda da existência.

                  Com isso, a cada momento da linha de tempo da humanidade temos uma arquitetura de construção do conhecimento humano em um dado estágio e podemos então ao estudar a vida dessas pessoas, ver como foram enormes os esforços que fizeram para acrescentar um "tijolinho" à essa magnífica construção que é o saber, que se acresce ao patrimônio da humanidade à medida que avança o tempo. Mas... nem sempre aqueles que dedicaram suas vidas à pesquisa e que acabaram por fazer grandes descobertas, receberam os justos créditos de seus esforços. Uma dessas pessoas que por aqui estiveram e que pouco se ouve falar à respeito e que ainda hoje não é devidamente lembrado é um patrício nosso chamado Roberto Landell de Moura, o padre Landell como gostava de ser chamado. Você sabe quem foi esse patrício nosso? Não?... Pois é. Nós aprendemos nos primeiros anos de escola que o inventor do aparelho transmissor de rádio foi o italiano Guglielmo Marconi.

                  Mas o homem que conseguiu a primeira transmissão da voz humana, sem auxilio de fios, ou seja pela irradiação de uma onda eletromagnética modulada por um sinal de áudio, foi o Padre ROBERTO LANDELL DE MOURA, em 03 de junho de 1900, sendo que a distância entre o aparelho emissor e detetor foi de aproximadamente de 8 quilômetros. Landell de Moura fez isso não só utilizando o transmissor de audio via luz, como também através de um aparelho que chamou de Transmissor de ondas.Comprovadamente, registrado pela imprensa da época, este fato se deu em 03 de junho de 1900, embora pelas pesquisas de Ernani Fornari, infelizmente sem documentos comprobatórios, estes experimentos teriam acontecido nos anos de 1893/4. O mais antigo documento registrado pela imprensa que pude pesquisar eu o encontrei no jornal " O Estado de São Paulo" de 16 de Julho de 1899, falando dos inventos de Landell. Landell transmitiu voz, transmissão e recepção de sinais telegráficos, Marconi só operou com transmissão e recepção de sinais telegráficos.

                  Essa foi a primeira demonstração do funcionamento dos aparelhos com presença de autoridades e imprensa. Em 1893 padre Landell já os tinha desenvolvido, mas infelizmente fanáticos religiosos destruíram seus equipamentos e anotações científicas porque o acusavam de ter parte com o demônio, (segundo as pesquisas de Ernani Fornari). Isso teria possibilitado mais tarde quando requereu as patentes ao U. S. Patent Office, em Washington, a prova de sua  anterioridade  a qualquer outro equipamento apresentado até então. O aparelho era multifunções e contemplava as funções de telegrafia e também a transmissão do som via Onda Portadora de Luz e via Transmissor de Ondas. Por isso Landell  é considerado Precursor das fibras óticas, hoje tão utilizadas para transportar sinais de televisão, comunicação de dados. (Telefone sem fio - Wireless Telephone).

                  Os pontos entre os quais ocorreu a transmissão e detecção dos sinais, estavam localizados entre o Bairro de Santana e os altos da Av. Paulista, na cidade de São Paulo, Brasil.          Nesta época o que se tinha em termos de comunicação por meios elétricos era o telégrafo por fios, invenção consignada a Samuel Morse (1837), o telefone com fio, de Graham Bell (1876) e a radiotelegrafia de Guglielmo Marconi (1895). O grande desafio era justamente transmitir um sinal de áudio sem utilizar fios, feito conseguido pelo padre cientista LANDELL DE MOURA. Pesquisava-se, mas ninguém ainda conseguira obter êxito. O mérito do Padre Landell é ainda maior se considerarmos que desenvolveu tudo sozinho. O Padre Landell era dessas pessoas que além do seu lado místico, religioso, integrava em sua personalidade o gênio teórico, o lado prático para construção de seus aparelhos.

Transmissor de Ondas" precursor do rádio. Em 11 de Outubro de 1904, " Telefone Sem Fio" e "Telégrafo Sem Fios

                  Muitos cientistas são grandes teóricos, O Padre Landell integrava a qualidade teórica e prática. Ele era o Cientista, o Engenheiro e o Operário ao mesmo tempo. Um ano depois de sua experiência inédita em nível mundial, em demonstração pública em São Paulo, padre Landell obteve uma patente brasileira para um "aparelho destinado à transmissão phonética à distância, com fio ou sem fio, através do espaço, da terra e do elemento aquoso". Era o dia 09 de Março de 1901. Consciente de que suas invenções tinham real valor, padre Landell partiu para os Estados Unidos da América, quatro meses depois, com o intuito de patentear os seus aparelhos. Com parcos recursos Padre Landell teve que contar com a ajuda de amigos, como Daniel Tamagno, para levar adiante seu projeto. Apesar de todas as dificuldades que encontrou, Padre Landell conseguiu três cartas patentes: "Transmissor de Ondas" precursor do rádio. Em 11 de Outubro de 1904, " Telefone Sem Fio" e "Telégrafo Sem Fios" em 22 de Novembro de 1904.

                  Ainda naquele ano, ele esboçou outro engenho ligado à vida moderna. Em 20 de Agosto de 1904 um dos documentos que ele batizou de "The Telephotorama ou Visão à distância". Tratava-se da Televisão, que só em 1926, teria sua primeira demonstração pública. Infere-se de alguns de seus manuscritos que alguns dos problemas da videocomunicação já tinham sido resolvidos por êle. Isto permite concluir que o Padre Landell estava pelo menos caminhando para um processo de Transmissão e Recepção de imagens. Ele pode ser considerado, portanto um precursor dessa invenção, ainda que a escassez de documentos não permita saber até que ponto ele chegou nesse projeto. Alguns documentos que foram deixados por ele, foram analisados por técnicos da Telebras, que chegaram à conclusão de que alguns de seus esquemáticos configuram uma tentativa de construir um registrador telegráfico. Isto indica que na pior das hipóteses, Padre Landell pelo menos idealizou controle remoto pelo rádio ou teletipo, invenções que na história oficial ficaram conhecidas respectivamente durante a primeira guerra mundial e em 1928.

                  Com respaldo das patentes norte-americanas em sua bagagem, Padre Landell imaginou que certamente seu destino mudaria. De volta ao Brasil, uma das primeiras coisas que fez foi escrever ao Presidente da República, Rodrigues Alves, a quem solicitou dois navios para demonstrar suas invenções. Um assessor do governo o procurou e Padre Landell informou que desejava entre os navios a maior distância possível, e isto naquele momento, porque no futuro, quando aperfeiçoasse os seus aparelhos, serviriam até para COMUNICAÇÕES INTERPLANETÁRIAS. Mais uma vez o pensamento avançado de Landell não foi compreendido e foi julgado como louco, embora hoje se saiba que sua afirmação não estava absolutamente destituída de fundamento. Em fim, vemos que esse notável homem de ciência foi um dos que não tiveram consignados com a devida consideração a magnitude de seus inventos, sendo que nem seu nome e o nome de seu país de origem aparecem com os legítimos créditos correspondentes aos seus feitos, e certamente lamentamos isso porque sabemos que em outros países seria motivo de grande honra e teriam sempre repetidas homenagens e por conseqüência seriam sempre lembrados.

                  Um país que não pensa em ciência e tecnologia fica para trás. Um país que não festeja seus grandes nomes da ciência, obviamente não estimula a sua juventude nessa direção. O nosso país é uma mescla de raças. Daqui pode sair o melhor. É uma questão de visão e vontade política. Estas modestas e singelas linhas aqui tem a finalidade de prestar um tributo ao nosso Padre Landell com motivo de justo orgulho! Colhidas aqui e acolá, registramos alguns dados obtidos de uma reportagem publicada em 16/07/88 de um jornal de Porto Alegre e FEPLAM – Fundação Educacional Padre Landell de Moura -

         BREVES DADOS BIOGRÁFICOS DE ROBERTO LANDELL DE MOURA

                  O Padre Roberto Landell de Moura nasceu na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 21 de Janeiro de 1861. Foi ordenado padre em Roma em 1886, onde também cursou Física e Química e desenvolveu as primeiras idéias de sua teoria sobre "Unidade das forças físicas e a harmonia do Universo", que nortearia as suas invenções futuras. Interessou-se por "Ciências Físicas, Químicas e Medicina", além de ter um profundo Sentimento Teológico. Foi seu caráter eclético que o levou a pesquisar e a descobrir que todos os corpos animados ou inanimados são circundados por halos de energia luminosa, invisíveis a olho nu. Há documentos alusivos a essa descoberta datados de 1907. Ele chegou inclusive a fotografar o efeito que na história oficial, seria batizado de "Efeito Kirlian" em 1939, por causa dos trabalhos do casal soviético Semyon e Valentina Kirlian. Os interesses intelectuais de Landell eram múltiplos. Foi um pensador com preocupações com a vida e a morte. Enveredou por estudos que hoje seriam catalogados como temas abordados pela Parapsicologia, e que certamente hoje não teriam a censura da igreja.

                  Recentemente técnicos da CIENTEC reconstruíram um dos aparelhos patenteados por Landell de Moura nos Estados Unidos - no U. S. Patent Office – o "Transmissor de Ondas" que hoje está exposto na FEPLAM - Fundação Educacional Padre Landell de Moura – em Porto Alegre. Constatou-se que o transmissor atinge uma larga faixa de espectro de rádio-freqüências e é captado, inclusive na faixa de F.M. (freqüência modulada). Dentro de suas limitações, o aparelho funciona, o que é uma prova incontestável do talento do Padre Landell. O sacerdote cientista, brasileiro, gaúcho, nascido em Porto Alegre em 28 de Janeiro de 1861, faleceu nesta mesma cidade em 30 de Junho de 1928. Foi um ser inspiradíssimo que viveu adiante de seu tempo. Nestas páginas lhe rendemos nosso tributo. - Luiz Netto